Fortaleza, Segunda-feira, 15 Agosto 2022
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática

Os desafios da assistência técnica em agropecuária no Ceará” é o tema do primeiro “Grandes Debates – Parlamento Protagonista” do ano. Terá a participação do empresário Inácio Parente, vice- presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC); do agricultor familiar Raimundo Martins Pereira,presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Ceará (FETRAECE); do agricultor Antônio Rodrigues de Amorim, presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (EMATERCE) e do deputado estadual Moisés Braz, com mediação do jornalista Ruy Lima. O programa será exibido nesta quarta-feira (09/02), a partir das 21h, pela TV Assembleia, Rádio Assembleia e pelas redes sociais da Casa.

 A agricultura constitui historicamente um segmento de grande importância para a economia nacional e cearense. No desenvolvimento econômico do país, os produtos agrícolas ocupam papel vital na sustentação da economia.Mas, durante séculos, as atividades agrícolas foram realizadas de forma rudimentar, com poucas inovações tecnológicas,mantidas primordialmente num sistema de produção altamente intensivo em mão de obra de baixo custo.

 A partir da década de 1960, esse sistema começou a sofrer transformação, impulsionado por políticas públicas que gradativamente introduziram os preceitos da chamada “revolução verde” no sistema rural brasileiro. Entre esses preceitos incluíam-se a incorporação da inovação tecnológica no âmbito das atividades agropecuárias e a difusão da inovação nessas atividades. Grande incentivo foi conferido à criação de instituições de pesquisa agropecuária e à formação de profissionais especializados em áreas do conhecimento desse campo de atuação. A Embrapa, por exemplo, foi criadaem 1973, com a missão de viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, em benefício da sociedade brasileira.

Apesar das adversidades impostas pelo clima, a economia do sertão do Nordeste está ligada diretamente à atividade agropecuária. A oferta necessária de água é condicionante para o sucesso do plantio, para que todas as etapas de uma lavoura não sejam prejudicadas por falta de umidade. Como essa região ainda não ingressou em um processo de mecanização e modernização efetiva do campo, a pecuária é desenvolvida de forma tradicional ou extensiva. Os animais são criados em extensas áreas, sem maiores cuidados e se alimentam, quase sempre, de pastagens nativas e não cultivadas, gerando baixa produtividade. Na agricultura, a maior parte da produção é destinada ao consumo próprio,realidade praticamente em todo o sertão, especialmente em pequenas propriedades rurais. A produção é pequena, com base na agricultura familiar, sem acesso a tantas tecnologias.Em algumas regiões do Sertão nordestino, como nas encostas das serras e vales fluviais, a maior umidade proporciona condições que permitem o desenvolvimento de atividade agrícola mais diversificada como o cultivo de culturas como milho, feijão, arroz e mandioca, além de lavouras com fins comerciais como o algodão arbóreo e a soja.

A cana-de-açúcar ainda é o produto mais importante, principalmente para Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Soja e cacau se destacam na Bahia. O cultivo de outras produções, como café, milho, feijão, arroz, banana, algodão, sisal, mandioca, coco e castanhas também predominam.A criação de bovinos é forte no Maranhão, Piauí e Bahia. A de caprinos também é importante, já que esses animais são considerados mais resistentes às condições climáticas.

As condições climáticas foram bastante favoráveis para a agropecuária do Ceará, nos últimos dois anos, com chuva acima da média e a pandemia não teve grande impacto nas atividades, que acontecem em espaço aberto, no campo. Segundo dados do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), o estado está no quarto ano consecutivo de crescimento da agropecuária. O crescimento do milho foi de 50% em 2020, se comparado a 2019, e o de feijão foi de 13%. Nas hortaliças, se destacam a produção do tomate, com crescimento de 9%.

A fruticultura também teve um bom desempenho em 2020, com destaque para o crescimento do maracujá (38%), coco-da-baía (34%) e mamão (29%). Outras frutas que também cresceram, e se destacam principalmente no mercado de  exportações foram a melancia (17%), o melão (7%) e a banana (6%). As atividades pecuárias também foram favoráveis, com aumento principalmente do consumo da carne de ave e ovos.

Para conversar sobre o atual momento dos desafios da assistência técnica para a agropecuária no estado, foram convidadas lideranças das áreas patronal, laboral e politica:

 Inácio Parente - vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC) - empresário rural com funções vinculadas ao Sistema FAEC-Senar-Sinrural desde 2001. Tem licenciatura plena em Biologia e Química (UVA) e em Gestão do Agronegócio (Faculdade CNA). É presidente do Sindicato Rural de Ubajara; vice-presidente do Sistema FAEC SENAR SINRURAL. É fundador do Instituto de Desenvolvimento do Agronegócio da Ibiapaba (IDAGRI) e Associação do Comércio Agropecuário da Ibiapaba (ACAI)

Vicente da Silva Júnior, assessor da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Ceará (Fetraece).  

 Antônio Rodrigues de Amorim presidente Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (EMATERCE) - agricultor em Tauá, é líder do movimento sindical. Foi presidente do sindicato no seu município e diretor nacional da CUT de 1982 a 1988, onde criou o primeiro Departamento Rural da instituição. Foi candidato a Deputado Federal Constituinte, em 1986. Participou das mobilizações das emendas populares, referentes às questões sociais, ao desenvolvimento agrário e à política agrícola. Contador por formação, atuou na área de produção orgânica. Foi secretário adjunto da Secretaria do Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará (SDA). 

Moisés Braz deputado estadual PT - Liderança sindical rural do estado, foi eleito em 2014, sendo o deputado mais bem votado do Partido dos Trabalhadores. Trabalhador rural, ainda jovem iniciou sua militância na Pastoral de Juventude do Meio Popular (PJMP) e Movimento de Educação de Base (MEB). Presidiu o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) de Massapê e foi coordenador regional e presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Estado do Ceará (FETRAECE) por duas gestões.  Fundou e presidiu ainda o PT de Massapê. Entre suas bandeiras na Assembleia estão o fortalecimento da Agricultura Familiar com assistência técnica, inclusão socioeconômica de jovens, mulheres e da terceira idade; a Reforma Agrária; a luta do movimento sindical de trabalhadores rurais e urbanos e o diálogo das Organizações da Sociedade Civil Organizada (ONGs) com os Poderes Públicos Federal, Estadual e Municipais com vistas à construção e implementação das Políticas Públicas.

 Assessoria de Imprensa do Conselho de Altos Estudos

 

Núcleo de Comunicação Interna da Alece

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: 85.3257.3032

Página: https://portaldoservidor.al.ce.gov.br/

O Pacto pelo Saneamento Básico encerra mais uma etapa, com a realização do seminário regional virtual sobre a Sub-Bacia Hidrográfica do Alto Jaguaribe, realizado nesta terça-feira, 20/10. Este foi o nono e último encontro, em uma programação de nove seminários, além do lançamento, em 18 de setembro, somando um período de 32 dias de atividades. Os seminários foram organizados por bacia hidrográfica, objetivando apresentar a realidade do Saneamento Básico nos municípios cearenses, e os desafios para a universalização dos serviços a toda sociedade cearense, a partir dos eixos estabelecidos em etapas anteriores. A próxima etapa é a construção preliminar de um documento, o “Cenário Atual do Saneamento Básico” a partir das informações levantadas nos seminários regionais virtuais. A iniciativa é da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, através do Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos.

Os números demonstram o interesse no tema. Foram 1mil 338 participantes, além de 230 no lançamento. É o resultado de um trabalho de mobilização da equipe técnica do Conselho de Altos Estudos junto a todos os municípios cearenses. Participaram representações de 118 municípios, sendo 80 prefeituras, através dos seus secretários municipais das áreas afins ao tema; 107 instituições públicas municipais, estaduais e federais; 95 sindicatos, associações comunitárias, conselhos, organizações não governamentais, Caritas, federações, instituições de ensino superior, cooperativas e movimentos sociais, além de 10 representações do setor privado, somando 292 instituições, entre públicas e privadas.

O lançamento do Pacto aconteceu em dezembro de 2019. Ainda no ano passado, fez-se a primeira oficina, em outubro, para planejar a construção do pacto social, nos moldes da expertise dominada pelo Conselho como nos anteriores (Pacto pela Vida, Pacto das Águas, Pacto pela Convivência com o Semiárido Cearense e Pacto pelo Pecém), em uma articulação que envolve instituições estaduais governamentais, federais e internacionais e a sociedade civil organizada.

Oficina 

A II oficina de planejamento foi em março, em uma segunda etapa que reuniu 150 técnicos e 46 instituições que compuseram a coordenação técnica do Pacto, com órgãos públicos e instituições com atuação no setor, tendo como eixos de discussão: Abastecimento de Água Potável e Esgotamento Sanitário; Gestão de Resíduos Sólidos; Drenagem de Águas Pluviais; Saneamento Rural e Educação Ambiental para o Saneamento Básico.

 Os técnicos se dividiram em grupos de trabalho por eixos temáticos, definindo coordenadores e relatores de cada um. Na ocasião, foi discutido o sumário da publicação “Cenário Atual”, com destaque para temas como marco regulatório do saneamento básico (legislação pertinente ao eixo temático); arranjo institucional (atribuições dos órgãos responsáveis, vinculação institucional, recursos humanos e governança); gestão dos serviços; planejamento (planos, programas e projetos em execução ou em negociação); sustentabilidade econômica e social, além dos principais desafios de cada eixo temático.

 A coordenadora técnica do Pacto, Rosana Garjulli, previa para até o meio do ano de 2020 uma versão preliminar do documento “Cenário Atual”. Contudo, a pandemia e o isolamento social obrigaram à mudança do calendário. Os seminários, que seriam presenciais, se transformaram em virtuais, propiciando a execução das apresentações e discussões online entre técnicos e representações dos municípios, distribuídos por 12 bacias hidrográficas. Foram expostos os desafios para ampliar o conhecimento da realidade de cada município, conforme os eixos estabelecidos anteriormente. “Saneamento básico é competência municipal”, explica Rosana. Os seminários tiveram por base 12 cadernos com informações sobre a oferta dos serviços como drenagem e água potável.

Avaliação

Na avaliação do secretário executivo do Conselho de Altos Estudos, Antônio Balhmann, a precariedade do saneamento básico é o mais grave problema de infraestrutura do País, ao qual estão associadas mazelas das mais diversas áreas. “O propósito da Assembleia Legislativa é exatamente desenvolver, nesse processo, a rota de solução que vai gerar um sonho que invade o Brasil inteiro, que é a universalização desse serviço, para, definitivamente, dar ao Brasil o status de primeiro mundo que o País merece”, afirmou.

Para a coordenadora técnica do pacto, Rosana Garjulli, os seminários trouxeram muitas contribuições, tanto em termos de questionamentos quanto de complementação de informações. “Todo esse subsídio vai ser avaliado e analisado, para concluir o documento que tem uma versão preliminar do cenário atual do saneamento básico, para então consolidarmos numa versão final até o início do próximo ano, a ser apresentado aos novos gestores”, explica.

 Os apresentadores e participantes dos seminários apresentaram e discutiram os resultados preliminares do “Cenário Atual do Saneamento Básico” no Ceará, assim como os desafios por eixos temáticos. Coordenadores e relatores dos grupos de trabalho do Pacto fizeram apresentações, de acordo com cada eixo.  As apresentações podem ser acessadas no Portal da Assembleia Legislativa, pelo link http://al.ce.gov.br/index.php/pacto-saneamento-basico

A coordenação técnica do Pacto pelo Saneamento Básico é composta pelos seguintes órgãos e instituições: Secretaria das Cidades, Meio Ambiente, Saúde, Desenvolvimento Agrário, Recursos Hídricos, CAGECE, ASSEMAE, COGERH, ACFOR, FUNASA, SISAR, ARCE, APRECE, Articulação do Semiárido (ASA) e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (ABES), além da própria Assembleia Legislativa, através do Conselho de Altos Estudos.

JS com Assessoria do Conselho de Altos Estudos

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: 85.3257.3032

WhatsApp: 85.99147.6829

O Seminário Regional das Bacias Hidrográficas da Serra da Ibiapaba e dos Sertões de Crateús, promovido pelo Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos da Assembleia Legislativa, reuniu nesta terça-feira (06/10), de forma virtual, 115 pessoas de 45 intuições públicas e privadas, com representações de 15 municípios.
Durante o evento, foram feitas apresentações por eixo, destacando a realidade dos municípios das duas bacias, conforme levantamento feito pela coordenação técnica do Pacto do Saneamento Básico e encaminhado em cadernos temáticos aos participantes.

Na apresentação do eixo “Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos”, Luana Bezerra, técnica da Coordenadoria de Desenvolvimento Sustentável da Secretaria do Meio Ambiente, destacou os aspectos legais, o arranjo institucional, a gestão dos serviços, os planos e programas, os recursos injetados para que ocorra a gestão ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e os desafios deste eixo temático.

De acordo com Luana, os municípios têm uma dificuldade em criar uma estrutura de secretaria municipal de meio ambiente ou até mesmo um instituto ou uma autarquia com profissionais concursados e qualificados. Ela informou que o estado do Ceará possui 21 consórcios públicos para gestão de resíduos sólidos constituídos, contemplando 163 municípios; 14 planos regionais de gestão integrada, abrangendo 184 municípios; 37 municípios com coleta seletiva; 317 lixões e apenas dez municípios com disposição final ambientalmente adequada.

Em seguida, Assis Bezerra, mestre em Recursos Hídricos pela UFC, apresentou o eixo “Drenagem e Manejo de Águas Pluviais Urbanas”, destacando que Tianguá é a cidade com maior problema de drenagem da Bacia da Ibiapaba. Segundo ele, o fator que mais afeta os sistemas de drenagem das cidades é a falta de domínio por parte do poder público de seus espaços públicos. “Existem várias ocupações em áreas ribeirinhas, são ocupações irregulares que prejudicam os sistemas de drenagem. Outro problema é a falta de educação do povo, uma questão cultural que afeta diretamente a drenagem”, explicou.

Assis defendeu a elaboração de planos diretores de drenagem urbana por bacia hidrográfica e a implementação de uma gestão integrada de drenagem urbana com as concessionárias de serviço público. “É fundamental também a realização de um cadastro do sistema de drenagem urbana e manutenção da drenagem existente nas cidades”, finalizou.

O eixo “Educação Ambiental para o Saneamento” contou com a apresentação de Sérgio Mota, educador da Coordenadoria de Educação Ambiental e Articulação Social da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), que destacou a política nacional de educação ambiental como marco para o tema. Com relação à Bacia da Serra da Ibiapaba e dos Sertões de Crateús, ele destacou que apenas três municípios possuem política municipal de educação ambiental, dois possuem um setor específico responsável por essa política e nenhum possui plano municipal de educação ambiental com foco em resíduos sólidos.

Sérgio apontou como os grandes desafios enfrentados pela educação ambiental nos municípios a falta de sensibilidade dos gestores sobre a importância do tema, a ausência de um orçamento que possibilite a sustentabilidade das ações e dos investimentos na área, além de não haver envolvimento da sociedade no processo de tomada de decisão, monitoramento e avaliação dos serviços de saneamento básico.

No eixo “Educação Ambiental para o Saneamento”, o palestrante Alceu Galvão, analista de regulação da Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce), lembrou que o principal instrumento do planejamento é o plano municipal de saneamento básico. “A lei 162/2016, que estabeleceu o marco regulatório estadual, trouxe importantes instrumentos, dentre eles o Plano Estadual de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário e o Fundo Estadual de Saneamento, com destaque para prestação regionalizada e cobrança por disponibilidade”, ressaltou.

Conforme Alceu, o índice de atendimento urbano de água nos sertões de Crateús vem caindo, o que indica que os investimentos realizados nos últimos anos sequer foram suficientes para acompanhar o crescimento da população. “O cenário é bem mais crítico quando passamos a analisar o índice de atendimento de esgoto nos municípios da região atendidos com água, além do índice de perdas na distribuição que oscila entre 40 e 50%”, alertou.

A última apresentação foi sobre o eixo “Saneamento Rural”. Marilângela Silva, gestora ambiental da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), destacou que alguns municípios das bacias hidrográficas da Serra da Ibiapaba e Sertões de Crateús foram contemplados com ações de esgotamento sanitário no período de 1995 a 2020, principalmente por projetos como Melhorias Sanitárias Domiciliares, Programa Água para Todos, Projeto São José e Sistema de Esgotamento Sanitário. Ao descrever os principais gargalos para a universalização dos serviços de saneamento nas zonas rurais do Ceará, ela destacou não haver soluções técnicas adequadas para o setor e muito menos estrutura das instituições que trabalham com saneamento rural.

Nos seminários anteriores, foram apresentados os cenários da Sub-Bacia Hidrográfica do Salgado, das Bacias Metropolitanas, da Sub-Bacia Hidrográfica do Rio Banabuiú e da Bacia Hidrográfica do Acaraú. Serão realizados ainda outros quatro seminários, sobre as bacias do Coreaú, do Curú e Litoral, do Médio e Baixo Jaguaribe e do Alto Jaguaribe.

Todas as apresentações feitas até podem ser acessadas no Portal da Assembleia Legislativa pelo link http://al.ce.gov.br/index.php/pacto-saneamento-basico.

Da Redação/com Assessoria de Imprensa

Estão abertas as inscrições para o Seminário Regional das Bacias Hidrográficas da Serra da Ibiapaba e dos Sertões de Crateús. O evento acontece nesta terça-feira, dia 06/10. O link para inscrição é https://cutt.ly/4f8bgRO. A realização será através da plataforma Zoom, a partir das 14h, e integra a programação do Pacto pelo Saneamento Básico. A iniciativa é do Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos da Assembleia Legislativa do Ceará e visa promover a integração institucional e fortalecer as políticas públicas de saneamento básico, objetivando apoiar a universalização desse serviço.

 A Bacia Hidrográfica da Serra da Ibiapaba, a ser discutida no seminário, possui uma área de 5.987,75 km², compreendendo as redes de drenagem dos rios Pejuaba, Arabê, Jaburu, Jacaraí, Catarina, Pirangi, Riacho da Volta, Riacho do Pinga e Inhuçu. A região hidrográfica é composta por 10 municípios – Carnaubal, Croatá, Guaraciaba do Norte, Ibiapina, Ipueiras, Poranga, São Benedito, Tianguá, Ubajara e Viçosa do Ceará – e apresenta uma capacidade de acumulação de águas superficiais de 141.000.000 m³, com um açude monitorado pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).

 O evento também analisará o cenário da Bacia Hidrográfica dos Sertões de Crateús, que dispõe de uma área de 10.821 km², compreendendo a rede de drenagem do rio Poti. Composta pelos municípios de Ararendá, Crateús, Independência, Ipaporanga, Novo Oriente, Poranga, Ipueiras, Quiterianópolis e Tamborile, a bacia apresenta uma capacidade de acumulação de águas superficiais de 446.685.647 m³, com 10 açudes monitorados pela Cogerh.

 O seminário conta com apresentações, por eixo, da realidade dos municípios das bacias, conforme levantamento feito pela coordenação técnica do pacto. Os dados levantados compõem cadernos temáticos digitais encaminhados aos participantes, que poderão fazer perguntas pelo chat.

JS e Assessoria do Conselho e Altos Estudos da Assembleia 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: 85.3257.3032

WhatsApp: 85.99147.6829

 

A Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, por meio do Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos, realiza, nos meses de setembro e outubro, nove seminários regionais, dando continuidade às atividades do Pacto pelo Saneamento Básico. Esta etapa do pacto acontece de forma virtual, por meio da plataforma Zoom. O lançamento dos seminários acontece em 18 de setembro, a partir das 14h30min. As inscrições para o lançamento poderão ser feitas a partir do dia 10, quinta-feira, até o dia 17, pelo link https://forms.gle/9Rb72LqT8zr2XaGe9.

 Os seminários serão realizados por bacia hidrográfica, com o objetivo de apresentar e discutir os resultados preliminares do “Cenário Atual do Saneamento Básico” no Ceará, assim como os desafios por eixos temáticos. Em atividades anteriores do pacto, foram definidos os seguintes eixos: abastecimento de água potável e esgotamento sanitário; gestão de resíduos sólidos; drenagem de águas pluviais; saneamento rural e educação ambiental para o saneamento básico, visando a universalização destes serviços à toda sociedade cearense.

 Os seminários regionais contemplarão as seguintes bacias: Sub Bacia Hidrográfica do Salgado; Bacias Hidrográficas Metropolitanas; Sub Bacia Hidrográfica do Banabuiú; Bacia Hidrográfica do Acaraú; Bacias Hidrográficas Serra da Ibiapaba e Sertões de Crateús; Bacia Hidrográfica do Coreaú; Bacias Hidrográficas do Curu e do Litoral; as Bacias Hidrográficas do Médio e Baixo Jaguaribe e a Sub Bacia Hidrográfica do Alto Jaguaribe. Para participar dos encontros, confira o cronograma abaixo com os horários de realização, o período de inscrição e o link.

 Acesso à água depende da disponibilidade das bacias

 Segundo a coordenadora técnica do Pacto, Rosana Garjulli, a estratégia de trabalhar os Seminários Regionais por bacias hidrográficas se deve ao fato de que o acesso a água para abastecimento humano depende da disponibilidade hídrica de cada bacia. Ela explica que “a ausência de esgotamento sanitário, de destinação correta dos resíduos sólidos e de drenagem afeta diretamente a quantidade e a qualidade da água a ser disponibilizada à população residente nos municípios.”

 Conforme o secretário executivo do Conselho de Altos Estudos, Antônio Balhmann, o pacto é um processo de formatação de estratégias e de definição de políticas para apoiar governos futuros para a solução do problema do saneamento básico. “O Pacto ganha ainda mais relevância nesse período de escolha dos novos gestores municipais, porque eles poderão assumir compromissos relacionados ao saneamento básico para seus municípios”, entende. A próxima fase, após o processo de construção do “Cenário Atual do Saneamento Básico no Ceará”, será a de constituição do “Plano Estratégico de Saneamento Básico”.

 Saiba mais

 O Pacto pelo Saneamento Básico foi lançado em dezembro de 2019. Entra agora  na fase de consolidação do Cenário Atual do Saneamento Básico no Ceará, que,  por meio dos Seminários Regionais, irá estabelecer uma interlocução com os municípios de cada bacia  hidrográfica com o objetivo de identificar os desafios específicos para cada um dos eixos temáticos no nível municipal, os quais irão subsidiar a identificação de estratégias, programas e projetos que  irão compor o  Plano Estratégico, próxima etapa a ser cumprida.

 A coordenação técnica do Pacto pelo Saneamento Básico congrega os seguintes órgãos e instituições: Secretarias das Cidades, Meio Ambiente, Saúde, Desenvolvimento Agrário e Recursos Hídricos, bem como Cagece, Assemae, Cogerh, ACFOR, Funasa, Sisar, Arce, Aprece, Articulação do Semiárido (Asa) e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (Abes), além do próprio Poder Legislativo, através do Conselho de Altos Estudos.

 Confira o link para inscrição, conforme o prazo especificado no quadro abaixo:https://forms.gle/9Rb72LqT8zr2XaGe9

 

 Seminários Regionais por Bacias Hidrográficas

EVENTO

 DATA

PERÍODO INSCRIÇÃO

LANÇAMENTO DOS SEMINÁRIOS pelo ZOOM

18/09/20 - 14h30

Início 10/09

Seminário Regional da Sub Bacia Hidrográfica do Salgado

22/09/20 - 14h

14/09 a 21/09

Seminário Regional das Bacias Hidrográficas Metropolitanas

24/09/20 - 14h

16/09 a 23/09

Seminário Regional da Sub Bacia Hidrográfica do Banabuiú

29/09/20 - 14h

21/09 a 28/09

Seminário Regional da Bacia Hidrográfica do Acaraú

01/10/20 - 14h

23/09 a 30/09

Seminário Regional das Bacias Hidrográficas Serra da Ibiapaba e Sertões de Crateús

06/10/20 - 14h

29/09 a 05/10

Seminário Regional da Bacia Hidrográfica do Coreaú

08/10/20- 14h

01/10 a 07/10

Seminário Regional das Bacias Hidrográficas do Curú e do Litoral

13/10/20- 14h

06/10 a 12/10

Seminário Regional das Bacias Hidrográficas do  Médio e Baixo Jaguaribe

15/10/20- 14h

08/10 a 14/10

Seminário Regional da Sub Bacia Hidrográfica do Alto Jaguaribe

20/10/20- 14h

13/10 a 19/10

 

Da Assessoria de Imprensa do Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos da AL, com Núcleo de Comunicação Interna

 

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: 85.3257.3032

WhatsApp: 85.99147.6829

InícioAnt12PróximoFim
Página 1 de 2

Temos 819 visitantes e 4 membros online

Login de Acesso

Por favor, para efetuar o login digitar zeros(0) à esquerda. Ex: 000015. Totalizando 6 dígitos.

QR Code

Portal do Servidor - Mostrando itens por tag: Conselho de Altos Estudos - QR Code Friendly



  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará 

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60170.900                           Siga-nos:

  Fone: (85) 3277.2500