Fortaleza, Quinta-feira, 02 Fevereiro 2023
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
Terça, 09 Agosto 2022 11:33

Há 40 anos, caso emblemático de tentativa de fraude marcou eleições no Rio de Janeiro Destaque

Avalie este item
(3 votos)
Debate televisivo entre os candidatos ao governo do Rio de Janeiro, em 1982 Debate televisivo entre os candidatos ao governo do Rio de Janeiro, em 1982 Foto: Globo.com

Na segunda matéria sobre a evolução do processo eleitoral no Brasil ao longo de 90 anos, o Portal do Servidor trata de um episódio notável em 1982, há 40 anos, na eleição para o governo do Rio de Janeiro. O caso, de grande repercussão nacional, evidenciou as falhas do sistema de voto em cédula de papel, fortalecendo a discussão sobre a necessidade de adoção do voto eletrônico, o que viria a ocorrer a partir das eleições de 1996.

Em 1982, ainda com o voto em cédulas de papel, um esquema foi montado a fim de favorecer o candidato Moreira Franco (PDS), que disputava o cargo com Miro Teixeira (PMDB), e o ex-governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, do então recentemente criado PDT. O embuste acabaria descoberto, como consequência da apuração paralela à do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), realizada pela Rádio Jornal do Brasil.

A manipulação principal aconteceria por meio de uma função infiltrada no sistema de contagem dos votos da empresa Proconsult, contratada para finalizar a apuração. A função ficou conhecida como “diferencial delta”. Nela, percentuais de votos dados ao candidato Leonel Brizola eram retirados, transformando-os em votos nulos ou simplesmente os transferindo para o concorrente pelo PDS.

A farsa começou a cair logo no primeiro dia da apuração, em razão do reconhecimento público do candidato do PMDB, Miro Teixeira, dando a vitória a Leonel Brizola. Este fato, aliado a grande discrepância entre os números oficiais do TRE-RJ e os da Rádio Jornal do Brasil, fez com que a apuração fosse suspensa. A partir daí, a Proconsult foi retirada do processo e técnicos do Serviço Nacional de Informações (SNI) foram ao Rio de Janeiro para eliminar do sistema dos computadores da apuração o “diferencial delta”.

Processo vulnerável

Na época, embora fossem responsáveis pelas eleições, alguns Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) não detinham o controle de todo o processo. Em alguns estados, empresas terceirizadas eram contratadas para a contabilização final dos votos. Desta forma, a possibilidade de atores não pertencentes à Justiça Eleitoral interferirem diretamente nos resultados, como foi tentado no Rio de Janeiro em 1982, era concreta.

A Proconsult, como relata Miro Teixeira era uma empresa que só existia no papel. "Foi criada para se habilitar à apuração das eleições no estado do Rio de Janeiro. Era uma subsidiária da Racimec – empresa esta que no regime militar ganhou o monopólio das máquinas de jogos da Caixa Econômica Federal", revela Miro Teixeira, também ex-deputado federal e ex-ministro das Comunicações.

Miro diz ainda que o próprio Brizola afirmou ter sido procurado por um dos mentores da fraude, um dos analistas de sistemas que fizeram o ‘diferencial delta’. Isto se deu no auge do reconhecimento da vitória, mas a repercussão não estava formalizada e não se falava ainda em Proconsult. “Essa pessoa procurou o Brizola e ofereceu o mapa da fraude em troca da presidência da Companhia do Metrô ou do Banco do Estado do Rio de Janeiro. Em contrapartida dava a garantia de que a fraude não seria consumada. E o Brizola fingiu concordar”, lembra o ex-deputado.

Papel da imprensa na denúncia

O jornalista Oswaldo Maneschy, repórter do jornal O Globo em 1982 e também candidato a vereador pelo município de Niterói (RJ) naquelas eleições, corrobora com as impressões de Miro Teixeira. "A Proconsult era uma empresa de informática organizada e integrada por agentes do SNI  e a intenção era impedir a eleição de Brizola, que havia retornado ao país após a anistia", afirma o jornalista, atual integrante do diretório nacional do PDT.

Maneschy salienta ter sido a decisão da Rádio Jornal do Brasil de apurar somente os votos para governador e senador daquele pleito que desencadeou a discrepância entre os números que eram divulgados pela rádio com os dados oficiais vindos do TRE-RJ. "Eu era repórter do jornal 'O Globo' e foi o prórpiro Roberto Marinho, dono do jornal, que mandou parar a divulgação do dados vindos do TRE. Brizola acabou convocando uma entrevista coletiva com jornalistas brasileiros e estrageiros, quando anunciou a tentativa de fraude", relembra o dirigente partidário, entrevistado pelo Portal do Servidor.

No fim, a tentativa de burlar a escolha dos eleitores fracassou. O resultado final deu vitória a Brizola 1.709.264 votos (34,17%). Na sequência, Moreira Franco obteve 1.530.728 votos (30,6%), enquanto Miro Teixeira alcançou 1.073.471 votos (21,46%).

No vídeo abaixo da matéria, o jornalista Osvaldo Maneschy apresenta um depoimento sobre a eleição para o governo do Rio de Janeiro realizada há 40 anos, quando aborda a tentativa de fraude no processo.

SC/PV, com informações do observatoriodaimprensa.com.br

 

Núcleo de Comunicação Interna da Alece

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: 85.3257.3032

Página: https://portaldoservidor.al.ce.gov.br/

WhatsApp: 85.99717.1801

Lido 1284 vezes Última modificação em Terça, 09 Agosto 2022 12:27

Mídia

Entre para postar comentários

Temos 212 visitantes e 18 membros online

Login de Acesso

Por favor, para efetuar o login digitar zeros(0) à esquerda. Ex: 000015. Totalizando 6 dígitos.

EVENTOS / DESTAQUES

QR Code

Portal do Servidor - Há 40 anos, caso emblemático de tentativa de fraude marcou eleições no Rio de Janeiro - QR Code Friendly



  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará 

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60170.900                           Siga-nos:

  Fone: (85) 3277.2500