Fortaleza, Domingo, 23 Janeiro 2022
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática
 PORTAL DO SERVIDOR
 Coordenadoria de Planejamento e Informática

Com apenas algumas gotas de sangue colhidas do calcanhar do recém-nascido, o teste do pezinho, oferecido gratuitamente na rede pública, permite diagnosticar precocemente seis doenças, dentre metabólicas, congênitas e infecciosas. Este mês é marcado pela campanha Junho Lilás, que difunde a prática deste exame. A triagem deve ser feita entre o terceiro e o quinto dia de vida do bebê, já que antes disso os resultados podem não ser muito precisos. Outras versões do teste oferecidas na rede particular são capazes de detectar mais doenças.

Segundo a pediatra do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará, Mônica Teixeira, o teste é obrigatório desde junho de 2001, quando foi publicado decreto federal determinando a obrigatoriedade de que todos os recém-nascidos a partir daquela data fossem submetidos ao exame, com idade de até 28 dias. “Assim, todas as crianças nascidas em território nacional têm direito a esse teste”, explica.

O tema é abordado pela pediatra Mônica Teixeira no vídeo disponibilizado hoje, uma parceria do DSAS com o Núcleo de Comunicação Interna do Poder Legislativo, que tem o apoio da TV Assembleia.

Saiba mais sobre as enfermidades que podem ser prevenidas

Doença falciforme e outras hemoglobinopatias Doenças que alteram a formação da hemoglobina, molécula responsável pelo transporte do oxigênio no sangue. Em decorrência dessa alteração, as hemácias ficam com forma de foice (daí o nome “falciforme”), o que dificulta sua locomoção e acaba lesionando tecidos.

Deficiência de biotinidase – É a falta da vitamina biotina no organismo. Sua deficiência resulta em convulsões, fraqueza muscular, queda de cabelo, surgimento de espinhas, acidez do sangue e baixa imunidade.

Fenilcetonúria — É uma doença genética caracterizada pela incapacidade de metabolizar a enzima fenilalanina-hidroxilase, responsável pela transformação do aminoácido fenilalanina em tirosina. A ausência de tirosina pode acarretar retardo mental.

Fibrose Cística – Doença genética que compromete o funcionamento das glândulas exócrinas que produzem muco, suor ou enzimas pancreáticas. O tratamento deve ser feito com equipe multidisciplinar, envolvendo profissionais de pneumologia, nutrição, fisioterapia e endocrinologista, entre outros. Em recém-nascidos, pode causar obstrução ileomeconial.

Hiperplasia adrenal congênita – Conjunto de alterações genéticas que reduzem a produção de hormônios nas glândulas adrenais e afetam o crescimento normal da criança. Meninas com a doença podem ter genitália ambígua. Não tem cura, mas com o tratamento contínuo o padrão de crescimento pode ser normalizado.

Hipotireoidismo congênito – Doença que faz com que a glândula tireoide não seja capaz de produzir quantidade adequada de hormônios tireoidianos, o que deixa os processos metabólicos mais lentos. Uma das principais consequências é a retardação mental.

JS

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Whatsapp: 85.99147.6829

 

 

 

 

Publicado em Dicas de Saúde

O retorno às aulas nas escolas particulares se aproxima em Fortaleza. A Prefeitura publicou decreto neste domingo (14/06) que prevê o retorno às aulas presenciais de escolas públicas e particulares, a partir do próximo mês. De acordo com o Decreto 14.709, publicado no Diário Oficial do Município, as atividades presenciais da rede privada ficam suspensas até 19 de julho de 2020, sendo retomadas a partir do dia 20 de julho, segundo o Plano de Retomada Responsável das Atividades Econômicas e Comportamentais no Ceará. No ensino público, as aulas serão reiniciadas após 31 de julho.

A enfermeira Thiciany Faustino Ribeiro do Amaral, do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará, orienta os cuidados que os pais e mães devem ter com filhas e filhos no retorno às atividades escolares. Ela esclarece que ainda não foi publicado o protocolo de segurança para o funcionamento dos estabelecimentos. No entanto, para ela, isso não impede de que sejam adotadas algumas medidas.

Como enfermeira e como mãe e dois filhos, um com quatro anos e um de nove anos, em primeiro lugar recomendo que as crianças sejam orientadas a se comportar da mesma forma que em casa. Manter a distância física das pessoas, explicando sempre com muita tranquilidade sobre a pandemia da Covid-19, que não necessariamente irá contaminar todo mundo”, defende.

Principais cuidados

Ela observa que os cuidados devem ser constantes enquanto não houver a imunização das pessoas por meio de vacina. Por isso, Thiciany diz que os filhos precisam ser ensinados a evitar agarrar, abraçar e pegar nas mãos dos colegas. “Também é importante o uso de máscara, que deve ser pontuado nas escolas pela direção dos estabelecimentos e professores”, frisa.

A enfermeira esclarece que antes do retorno previsto para o próximo mês, a Prefeitura, juntamente com o Governo do Estado, devem definir um protocolo de segurança para a redução dos riscos. Ela também lembra a necessidade do uso do ácool em gel para higienizar as mãos, sempre que forem tocadas superfícies, evitando levar a mão à boca, olhos e nariz. “As mães devem colocar nas mochilas embalagens de seus filhos e filhas o álcool em gel, explicando que o produto pode ser utilizado sempre que necessário”, enfatiza.

Além disso, Thiciany recomenda que os filhos maiores sejam orientados a sempre lavar as mãos. “As salas de aula também precisam respeitar uma distância entre os alunos e, se possível, devem ser bem ventiladas”, avisa. A enfermeira adverte ainda que caso quaisquer sintomas de gripe sejam identificados no filho, é necessário que os pais o mantenham em casa.

JS

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL-CE

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

WhatsApp: 85.99147.6829

 

 

A atenção para reduzir a possibilidade de contágio provocado pela Covid-19 não deve se resumir apenas aos procedimentos pessoais, como usar máscara, manter-se afastado das demais pessoas, evitar levar a mão aos olhos ou a boca, espirrar ou tossir sem proteção com o cotovelo. É necessário também procurar realizar a higienização de todos os produtos comprados que chegam a sua casa, conforme recomenda a nutricionista Gisele Pacheco, chefe da Célula de Nutrição do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará.

O vídeo de hoje trata do assunto, tendo sido realizado conjuntamente pelo Núcleo de Comunicação Interna da AL e DSAS, com o apoio da TV Assembleia.

Gisele Pacheco recomenda especial atenção com os alimentos. Independente de comprar por aplicativo ou de forma presencial em supermercados, o cuidado do servidor ou servidora com o material adquirido deve ser o mesmo. Conforme a nutricionista, logo que os produtos cheguem em casa, devem ser retirados das sacolas. Sem usar brincos, anéis, relógio, pulseiras ou colar, a pessoa deve se auto-higienizar, antes de começar o manuseio das compras, lavando as mãos até o punho com sabão neutro.

Após este primeiro cuidado, a nutricionista recomenda que os produtos sejam divididos e que a higienização comece por frutas e verduras, por serem mais perecíveis. Primeiramente os produtos devem ser colocados em água corrente. Em seguida, é necessária a diluição de hipoclorito ou água sanitária, na proporção de um litro de água para uma colher de sopa de um dos agentes químicos, para imergir frutas e verduras. Confira as orientações completas no vídeo.

JS

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Whatsapp: 85.99147.6829

 

Publicado em Dicas de Saúde

O isolamento social necessário para evitar a disseminação dos casos do novo coronavírus alterou a rotina das famílias e exige uma reinvenção continuada da rotina. Neste cenário, organizar o dia a dia e administrar o tempo são caminhos importantes para manter a saúde, indica a terapeuta ocupacional do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará, Andréa Lima.

A profissional, que também é fisioterapeuta e especialista em Gerontologia e Reabilitação Neurocognitiva, recomenda algumas atitudes que podem auxiliar neste caminho de mudanças em prol da saúde de todos.

Entre elas, está a concentração em atividades específicas, evitando a realização de múltiplas tarefas, assim como o gerenciamento do tempo, dividindo o dia, por exemplo, em turnos para a realização de cada atividade.

Andréa Lima cita ainda a importância de organizar e higienizar os ambientes da casa, de preferência, por etapas, assim como ter uma mesa de trabalho com os materiais necessários dispostos de forma acessível. No ambiente familiar, a construção de regras de convivência e o revezamento das funções domésticas devem envolver todos da casa.

Com as demandas familiares e laborais continuadas e em novos ambientes, a terapeuta ocupacional destaca que flexibilizar os limites, estabelecer metas e buscar a criatividade e o foco podem promover um bom desempenho pessoal e coletivo.

“Devemos ser mais tolerantes conosco e com os outros e realizar exercícios físicos dentro dos limites”, pontua, indicando ainda a importância de pequenas ações como a exposição ao sol nos horários mais adequados, a hidratação, o sono em horários regulares, assim como atividades de lazer e a meditação. “O movimento gera incentivo, estímulo e cria um ambiente dinâmico e mais acolhedor”, comenta.

Para ela, a terapia ocupacional ganha ainda mais relevância no contexto atual de pandemia da Covid-19, uma vez que exige novos comportamentos, a reinvenção da relação com os espaços e as pessoas. “A TO, nesse processo, é fundamental devido ao uso terapêutico de atividades diárias (ocupações) em indivíduos ou grupos com o propósito de possibilitar ou melhorar à participação em hábitos e rotinas”, afirma.

(Da Agência de Notícias da AL)

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Whatsapp: 85.99147.6829

 

O Dia do Assistente Social é comemorado anualmente em 15 de maio. A data celebra o profissional dos Serviços Sociais, dedicado à luta por melhores condições de vida, saúde e trabalho para os grupos sociais mais desfavorecidos ou "à margem da sociedade". Esses profissionais são membros ativos na luta pelos direitos humanos.

A data surgiu a partir da aprovação da Lei nº 3.252, de 27 de Agosto de 1957, através do Decreto Federal nº 994, de 15 de Maio de 1962, que regulamenta e oficializa a profissão no Brasil. Em 1993, a Lei nº 8.662, de 7 de Junho de 1993, revogou a Lei de 1957 e aplicou uma nova lei de regulamentação da profissão. Portanto, em homenagem à regulamentação da profissão, desde 1962, o dia 15 de maio é considerado o Dia Nacional do Assistente Social.

No momento atual, caracterizado pela pandemia da Covid-19, o Serviço Social também tem auxiliado na conversa com pacientes, garantindo aos familiares que não têm direito à visita ou acompanhante o acesso à informação. Foi disponibilizado um call center para que o familiar referenciado pelo paciente tenha contato diário com a assistente social, assim como telefones celulares também foram permitidos nesse momento para facilitar o contato.

Avanços legais para a profissão

A servidora Edinira Martins Borges de Castro, assistente social do Departamento de Saúde e Assistência Social (DSAS) da Assembleia Legislativa do Ceará, explica que com a promulgação da Constituição Federal de 1988, a assistência social avançou em relação às cartas constitucionais anteriores, "ao encampar um projeto de transformar em direito o que sempre foi tratado como favor".

A profissional acentua ainda que a Carta de 1988 reconheceu os desamparados e menos favorecidos "como titulares na busca dos seus direitos". Ela observa que o assistente social atual na formulação e implantação das políticas sociais e na execução dos projetos relativos a essas políticas, voltados à inclusão da população em situação de vulnerabilidade.

Edinira de Castro afirma que a atuação profissional dos assistentes sociais é norteada pelos princípios constantes em um Código de Ética Profissional que estabelece os direitos e deveres a serem observados e cumpridos pelos assistentes sociais. "Festejar este dia é comemorar a luta dos profissionais pela inclusão da população desassistida em seus direitos, seja na saúde, na educação e na previdência social. É o profissional que está sempre junto desta parte menos favorecida de nossa sociedade", avalia.

JS

 

Núcleo de Comunicação Interna da AL

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Whatsapp: 85.99147.6829

 

 

Temos 168 visitantes e Nenhum membro online

Login de Acesso

Por favor, para efetuar o login digitar zeros(0) à esquerda. Ex: 000015. Totalizando 6 dígitos.

CURSOS / PROJETOS

EVENTOS / DESTAQUES



  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará 

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60170.900                           Siga-nos:

  Fone: (85) 3277.2500